Parintins em Destaque
O Jornal Popular da Ilha

Caminhos de Esperança: Diálogos com a Natureza rompem isolamento

As experiências são lançadas e oferecidas em grupos de WhatsApp, Facebook e outras redes sociais.

Parintins (AM) – Em meio às incertezas provocadas pela peste que tomou o mundo de assalto, homens, mulheres, jovens e crianças aproveitam a quarentena para dialogar com a Natureza e romper o isolamento por caminhos de esperançamento. Em Parintins, a 369 km de Manaus, tecnólogos, biólogos, técnicos ambientais, lideranças populares e moradores da periferia buscam o outro lado da pandemia para se solidarizar e minimizar a crise que atinge a todos.

As experiências são lançadas e oferecidas em grupos de WhatsApp, Facebook e outras redes sociais. A produção de mudas de plantas, adubos e fertilizantes orgânicos abre espaços cada vez maiores na economia solidária e supera a falta dos sorrisos sem máscaras, dos abraços físicos e até da liberdade de ir e vir.

É o caso do tecnólogo em agroecologia Luís Carlos Roçoda. Servidor Público, Luís investe há alguns anos na produção de adubos e fertilizantes orgânicos. A realidade sem norte, sem rumo certo, imposta pela Pandemia não asfixiou, não matou os sonhos nem escondeu a esperança desse técnico.

Em seu diálogo com a Natureza, Roçoda cita o reaproveitamento de resíduos como “estratégia fundamental para solucionar um dos maiores problemas ambientais da atualidade: a quantidade de lixo gerado e sua correta destinação. A compostagem é considerada alternativa sustentável, simples, eficaz e que atende a legislação ambiental em vigor – a Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/2010), que regulamenta o tema no País”.

Compostagem

O tratamento consiste em um processo biológico de reaproveitamento que transforma resíduos orgânicos urbanos, agroindustriais e agropecuários em novo produto, como fertilizante orgânico para ser empregado na agricultura. “A transformação é realizada pela atividade de microrganismos presentes nos próprios rejeitos, capazes de degradar e estabilizar a carga orgânica de diversos materiais”, explica o tecnólogo.

No processo de compostagem, é comum utilizar uma mistura de materiais ricos em carbono com outros ricos em nitrogênio. “Importante ressaltar que o método de segregação deve ser eficiente no local de geração, uma vez que lixo comum e embalagens não devem estar inseridos quando da destinação, já que reduzem o valor de nutrientes ou podem contaminar o produto final – fertilizante”, argumenta.

O resultado da produção de Roçoda é o Fertilizante FERTSOLO, elaborado com resíduos vegetais ou em mistura com resíduos animais. “Pode ser aplicado em adubação de canteiros (hortas, Balcões suspensos), pastagens, plantio de frutíferas com adubação em covas ou cobertura, vasos com plantas ornamentais, condimentares e medicinais. É um condicionador de solos e plantas”, afirma.

Bagaços, cascas de frutas e legumes provenientes do processamento de alimentos; podas de árvores brutas ou trituradas; cama de aviário; cascas; cavaco de madeira e moinha; cinzas de caldeira; pó de carvão vegetal e serraria; restos de alimentos provenientes de restaurantes, supermercados, feiras, etc., e produtos alimentícios vencidos ou fora de especificação são alguns dos materiais utilizados na compostagem.
Para Luís Carlos, entre as vantagens está “a redução de impactos ambientais, já que a compostagem contribui diretamente para a redução dos passivos ambientais – evitando a poluição do solo, água e ar – e esgotamento dos aterros, além de diminuir riscos à saúde da população”.

A compostagem agrega o valor de responsabilidade ambiental e social, um diferencial importante, muito valorizado pelos consumidores. “A isenção de corresponsabilidade ambiental também é fator a ser levado em consideração. Com a compostagem, o gerador deixa de ser corresponsável legal, uma vez que, no processo, a matéria-prima é transformada e a responsabilidade passa a ser do fabricante do novo produto (fertilizante), ao contrário de quando o destino são os aterros sanitários, aterro controlado e lixões públicos ou viciados”, argumenta Roçoda. Ele disponibiliza seu contato (99436-4003) para entregas em domicílio para pedidos acima de 50 kg de adubo.

Caminhos de Esperanças

Na contramão do corona, o biólogo e técnico em meio ambiente Elton Almeida, 25, aproveita a sua juventude para romper o isolamento e oferecer mudas de plantas medicinais, ornamentais e frutíferas produzidas em casa. Nas redes sociais, Elton posta fotos e textos sobre o trabalho feito para transformar o drama provocado pelo Covid em trampolim de superação.

“Bom Finzinho de tarde pessoal. Passando pra divulgar um dos meus trabalhos… Durante essa quarentena venho produzindo e, é claro, contribuindo com o nosso meio ambiente. Enfatizando o bem-estar comum e compartilhando ideias para nossos quintais. Dessa forma, estou com as produções e vendas de algumas plantas ornamentais e medicinais. Em seguida estou encaminhando as fotos. (obs: as fotos são de minha autoria e o tamanho das mudas podem não estar em tamanho real) agradeço grandemente a compreensão”, diz o biólogo nos posts.

A origem interlandina, nascido na área rural de Barreirinha, o identifica perfeitamente com a escolha do diálogo com a Natureza na busca por superação dos conflitos gerados pela falta de oportunidade de trabalho. Apesar da formação universitária, Elton atua como auxiliar de pedreiro, auxiliar de pintor de parede, limpa quintais e, no isolamento físico, tenta vencer as cadeias do individualismo produzindo mudas e mini balcões de hortaliças.

A juventude não o deixa esmorecer, “faço até entrega de encomendas para quem estiver nos grupos de riscos”. De bicicleta, a pé ou de carona, ele nos dá exemplo de que a angústia é tão finita quanto ela própria. Um dia acaba.”Sabemos que as plantas são muito importantes, mas frequentemente ignoramos que elas são mais que isso, são essenciais para a sobrevivência em nosso planeta. Devemos refletir sobre as questões que afetam diretamente o meio ambiente. Nosso dever é cuidar dele. da Fauna, da Flora e todos os ecossistemas em comum. Esse trabalho é árduo, mas gratificante, precisamos preservar pra garantir um meio sustentável ecologicamente equilibrado. Vamos lá, plantar, cultivar, cuidar das nossas Florestas e da nossa Mãe Terra”, destaca Elton Almeida.

Entre pomares e jardins

Edilson Albarado, Mestre em Sociedade e Cultura na Amazônia, é outro que aproveita o período para dialogar com a Natureza e na busca do que ele chama de “caminho de sustentabilidade, equilíbrio ambiental, saúde universal e promoção da qualidade de vida”.

Ao postar os resultados de suas semeaduras no pomar e no jardim de sua casa, no bairro Palmares, Albarado escreve “os jardins em nossas casas são VIDAS. Cuidemos dessas vidas por nós e pelo Bem Viver da humanidade! Que possamos aprender com a Mãe Terra a cuidar uns dos outros.”

Floriano Lins/Da redação do Plantão Popular
Fotos: Divulgação Internet

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

1 comentário
  1. Maíra Diz

    Momentos de crise, abrem alas para que o Bem se manifeste ✨🙏🏼
    Até quando precisaremos ser surpreendidos pela vida para aprendermos nossas lições de amar e respeitar nossa mãe terra?! 💭💭

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.