Parintins em Destaque
O Jornal Popular da Ilha

Conheça a história dos Touros Branco e Preto de Barreirinha

A Festa teve inicio em 1978 e está em sua 31ª edição oficial. Desde 2005, a festa cultural ocorre no último fim de semana de outubro, e este ano vem sendo realizado nos dias 24, 25 e 26.

ASSOCIAÇÃO CULTURAL BOI-BUMBÁ TOURO BRANCO

De acordo com o histórico da Associação Cultural, em meados dos anos 30, quando a brincadeira de boi ganhava status de manifestação popular nas ruas da cidade de Parintins, muitos barreirinhenses iam até a cidade vizinha em busca de assistência médica ou para tratar de assuntos particulares e deparavam-se com a brincadeira do boi de pano.

Neste sentido, numa tentativa de alimentar a paixão despertada, muitas famílias tradicionais barreirinhenses, começaram também a colocar seus bois para brincar nas ruas da cidade, fazendo alusão ao Boi Garantido. Anos mais tarde, em meados da
década de 70, na comunidade do Paraíso do Ramos, zona rural do município, em cumprimento ao pagamento de uma promessa de um morador local. Contudo, o
pagador de promessa, não conhecendo a brincadeira, convidou, na ocasião, o Senhor
Benedito Carneiro (Seu Binica), vez que Binica era frequentador das saídas do Boi nas ruas de Parintins, e sabia como era que se brincava de boi.

Com a promessa do amigo cumprida, no ano seguinte, Binica resolveu por conta própria também colocar um boi para brincar, nesse momento, o seu companheiro de pescaria o senhor Lindolfo Monteverde, fundador do Boi Garantido de Parintins, lhe presenteou com um boi, para que Binica pudesse brincar. Nascendo assim, das mãos do próprio Lindolfo Monteverde, o presente de amizade, o Boi Garantido do Paraíso.

Binica continuou com a tradição de colocar o boi para brincar, ano após ano, até que em 1976, o Movimento Brasileiro de Alfabetização (MOBRAL), que naquele ano realizava uma atividade cultural em Barreirinha, convidou Binica, para que o mesmo trouxesse o Boi Garantido do Paraíso, para apresentar-se aos professores e alunos. Com a ajuda da Paróquia de Barreirinha, e outros simpatizantes que ajudavam na
organização do boi, embarcados no barco de nome Espírito Santo, 28 (vinte e oito) brincantes, chegam em 01 de maio do ano de 1978, trazendo o Boi Garantido do Paraíso, presente de Lindolfo Monteverde, para brincar nas ruas de Barreirinha.

No ano seguinte, Binica colocou novamente o Boi Garantido nas ruas barreirinhenses para brincar, despertando paixões e admiração de outros barreirinhenses que por onde passava que logo aderiam à novidade e encantamento da mitificação e louvação daquele do boizinho, símbolo de amizade.
No ano de 1980, em comemoração ao centenário do Município de Barreirinha, o Poder executivo municipal, realiza o 1º Festival Folclórico de Barreirinha, no então estádio municipal Presidente Médici, e lança convite ao Boi Garantido, agora de Barreirinha, para apresentar-se no festival, que perdura até os dias atuais.

A denominação de Boi Garantido permanece por décadas, até que no ano de 2001, por meio da propositura do então prefeito Gilvan Geraldo de Aquino Seixas, através de um projeto de Lei enviado à Câmara Municipal de Barreirinha, datado de 01 de abril de 2001, com vistas à necessidade de viabilizar recursos junto às outras esferas de governo, para a manutenção do Festival crescente, e principalmente para subsidiar as
apresentações das agremiações, vez que o Boi Garantido é registrado oficialmente como o Boi de Parintins, o Grupo Folclórico Boi-Bumbá Garantido passa a denominar-se Associação Cultural Boi-Bumbá Touro Branco, retirando o coração da testa, mas permanecendo com o símbolo de amor e amizade deste a década de 70.

O Boi-Bumbá Touro Branco, hoje é o elo que liga o passado e o presente dos
familiares do Senhor Benedito Carneiro, o Mestre Binica como é carinhosamente
lembrado pelos torcedores do Boi-Bumbá Touro Branco, que é o personagem principal
que une a Associação, inspira os seus compositores, poetas e demais artistas que
traduzem em forma de arte todos os elementos que compõe o saber popular, o
cotidiano caboclo, a fauna, a flora, os mistérios e encantos que envolvem a vida do
barreirinhense.
No ano de 2005, foi realizado o primeiro festival com disputa, até então, apenas
eram apresentações que não eram avaliadas por jurados especialistas, apenas era na
boca do povo, que as apresentações eram julgadas, e nunca nenhum perdia para o
outro. Neste ano, O Boi-Bumbá Touro Branco sagrou-se o primeiro campeão do Festival
Folclórico de Barreirinha, e acumulou os quatro seguintes títulos, sagrando-se
pentacampeão invicto.
No total, o Touro Branco acumula 6 (seis) títulos de campeão do Festival Folclórico
Barreirinhense, e permanece firme para conquistar mais títulos para engrandecer a sua
coleção de vitórias.

ASSOCIAÇÃO CULTURAL BOI-BUMBÁ TOURO PRETO

A história da Associação Folclórica Boi-Bumbá Touro Preto, remonta-se ao ano de 1938 quando em visita à
cidade de Parintins, o senhor Paulo dos Santos Beltrão assistiu ao ensaio do Boi-Bumbá Caprichoso no terreiro da casa da Dona Antônia do Roque, ficou tão entusiasmado com a brincadeira, que chegando a Barreirinha convidou os senhores Edson Tavares Beltrão, Evandro Tavares Beltrão, João Teixeira da Cruz, Antenor Tavares Leite, Manoel Segundo da Silva, Germano Moreira Marinho, Edgar Gonçalves dos Reis, Antônio Marinho Dutra, Antônio Belchior Cabral Filho, José da Silva Maia, Benedito Patrocínio Gomes, Taurino da Silva Maia, Eustáquio de Albuquerque Vilas Boas, Vicente Sampaio, Francisco da Silva Manoel Teixeira da Cruz, Vicente Pereira e Manuel Vilas Boas para fundarem e
participarem da brincadeira do boi.

Aos treze (13) dias do mês de junho de 1938, às 18:30h no sítio denominado “Vila Nova”, de propriedade do Senhor Paulo dos Santo. Beltrão, situado no Paraná do Ramos, Município de Barreirinha, reuniram-se em Assembleia Geral para escolha da Primeira Diretoria do Boi sobre a Presidência do Senhor Paulo dos Santos Beltrão, que convidou o senhor Edson Tavares Beltrão para secretariar os trabalhos, logo deram aberta a sessão para escolha da diretoria que foi aclamada por unanimidade e ficou assim constituída: Presidente e Amo do Boi o Sr. Paulo dos Santos Beltrão, Vice-presidente o senhor Antônio Belchior Cabral Filho, Secretário o Sr. Edson Tavares Beltrão e Tesoureiro o Sr. Evandro Tavares Beltrão, assim
constituída a Diretoria, partiram para escolha do nome do Boi que recebeu o mesmo nome do Boi de Parintins, chamando-se de CAPRICHOSO, cujo corpo é preto de barra branca. O Senhor Paulo Beltrão por ser o intelectual e autor da brincadeira e ainda por possuir uma potente e incomparável voz, foi por muitos anos o amo do Boi e improvisadamente recitava em forma de verso a brincadeira de boi, levado pela poesia
pela qual dedicava amor e carinho do Boi querido, além dos versos de desafio ao boi contrário, que os consagrou pela admiração de todos os que o ouviam e como reconhecimento manifestavam-se através de aplausos eufóricos.

Paulo Beltrão, aproveitando o tamanho do terreno de sua propriedade denominada “Vila Nova” com seus amigos e simpatizantes do boi realizaram no mês de junho a brincadeira ao comando de tambores, caixinhas e palminhas, faziam o ritmo
alegre e fascinante que contagiava quem os assistiam. Por força do destino aliado a necessidade dos filhos de terem de estudar, fixou-se
na sede do município onde morou com sua família a Rua Getúlio Vargas no bairro Vila Ferreira. Neste período, ano a ano apresentou-se, conquistou e vem conquistando mais e mais adeptos. Onde o Touro Negro se apresenta é visível a presença dos
simpatizantes que o prestigiam e aplaudem.

Devido à idade avançada Paulo Beltrão, aos 84 anos, já bastante debilitado passou a responsabilidade da brincadeira do boi para o seu filho Paulo dos Santos Beltrão filho, mais conhecido por Holofote, o qual com sua família moravam na Rodovia BH1 Nilo Pereira no Bairro de Santa Luzia. A dedicação à missão herdada do pai, fez com que Holofote, transformasse o terreiro de sua residência no curral para brincadeira do boi pioneiro da cidade.

Para missão que lhe foi conferida não teve dificuldade para desempenhá-la, pois herdou do berço o talento e a voz do pai, alegria e a dedicação da mãe, enraizando no coração do povo de barreirinhense a brincadeira a qual pode chegar até nos anos 90, passando a missão os próximos para dar continuidade, transformando-a em grandiosos cenários de sonhos inspirado no misticismo, nas crenças nas lendas da tradição e cultura do caboclo amazônida.

No final do ano 2000 e início do ano 2001 por força da necessidade de alocar recursos do Governo do Estado e Governo Federal para serem investidos no bumbá fora sugerido pelo então prefeito da época o senhor Gilvan Geraldo de Aquino Seixas para que fosse trocado o nome da Agremiação Folclórica.
Assim, no dia 13 de junho de 2001 reuniu-se em Assembleia Geral às 19h, em uma das salas da Escola Estadual Padre Seixas, sob a Presidência do Senhor Salazar
Gonçalves de Oliveira Filho, Secretariado pelo senhor Teodoro José Ferreira Dutra, na
presença de 292 associados, mudaram o nome Razão Social Boi-Bumbá Caprichoso para
ASSOCIAÇÃO FOLCLÓRICA BOI-BUMBÁ TOURO PRETO com o mesmo número do CNPJ e o mesmo endereço, e o mesmo entusiasmo da brincadeira do boi que se renova a cada ano, se configura num espetáculo de luzes e cores, mantendo viva a chama da
paixão que incendeia o coração do povo.

É através desse sentimento, que os artistas locais embora anonimamente ou pouco reconhecidos pela doação e talento, deixam fluir o seu mundo imaginário produzindo belíssimos trabalhos artísticos fruto da criatividade inovadora, da inteligência e do talento genial que possuem, materializando e transformando o imaginário em fantásticos cenários produzida pelas artes cênicas e pela plástica que se harmonizam no contraste folclórico do Festival de Barreirinha.

Do ponto de cisto vista histórico, entendemos que o elo necessário entre o passado e o presente é a tradição cultural, pois a vida do homem é uma equação entre o passado e o futuro, é claro que as experiências acumuladas do passado precisam de um renovar-se, agregando as mudanças para se manter presente, mas contudo, preservando a essência da brincadeira, que é capaz de criar e recriar, inovar e renovar valores para
alcançar seus objetivos dentro da realidade contemporânea, extraindo do passado as lições e exemplos para projetar com artes folclóricas um futuro cultural vivo e grandioso. Essa é a essência e história do Boi-Bumbá Touro Preto.

Fonte: *(Adaptado por Paulo Isaac Gonçalves, com base no histórico do Bumbá).
Fotos: Clemente Valente

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.