Parintins em Destaque
O Jornal Popular da Ilha

Melhores matrizes de leite e de corte são escolhidas na 35ª Expopin para premiação aos pecuaristas

O presidente da APP, Telo Pinto, afirma que a nova competição atendeu a pedido dos pecuaristas de Parintins, por conta da vasta amostra de animais de alta qualidade que estão na 35ª Expopin.

A 35ª Exposição Feira Agropecuária de Parintins (Expopin) vai premiar a melhor matriz fêmea leiteira, melhor reprodutor de gado leiteiro, melhor reprodutor gado de corte, melhor fêmea de gado de corte e o campeão entre todas as categorias. A competição foi definida pelo presidente da Associação dos Pecuaristas de Parintins (APP), Telo Pinto, em reunião com a comissão de avaliação dos animais, formada por especialistas das áreas de ciências agrárias e animal do Amazonas.

De 02 a 03 de dezembro, a escolha das melhores matrizes é realizada pelos técnicos que são os professores da Universidade Federal do Amazonas, Michel Maciel, Marcos Ferraz, doutores em zootecnia, vice-presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Amazonas (CRMV-AM), José Augusto Omena, engenheiro agrônomo Jeferson Macedo, coordenador do Núcleo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Parintins, e o diretor técnico da APP, Walter Leandro Coutinho.

O presidente da APP, Telo Pinto, afirma que a nova competição atendeu a pedido dos pecuaristas de Parintins, por conta da vasta amostra de animais de alta qualidade que estão na 35ª Expopin. “O anúncio dos vencedores será no sábado (04), no qual os animais serão expostos dentro da pista para que a população. Vejam o belo trabalho que os pecuaristas têm feito no melhoramento genético, na busca da melhoria da qualidade da produção de carne e de leite no nosso município”, declara.

Michel Maciel explica como funciona o julgamento. “Com a ezoognósia, estudo do exterior dos bovinos, classificamos os produtores que escolhem animais de raça, com boa capacidade de produção e adaptação ao ambiente. É uma premiação fundamental para valorizar o seu trabalho e a genética da região, bem como os tratadores para o correto manejo. É uma ciência que faz esse julgamento, trabalha cada vez mais a produção, dentro do padrão de uma raça com características produtivas”, assegura o zootecnista.

 

Assessoria

Foto: Pedro Coelho

você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.